Google Translate

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Filho, sua Responsabilidade

Filho, Sua resposabilidade


' 



Filho, sua Responsabilidade
Elisabeth Lorena Alves
Efésios 6-4 : “E vós, pais, não provoqueis à ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor.
Antes de fala sobre Família e cuidados com exemplo, autoridade familiar e tudo, gostaria de dividir com você suma Ilustração que mexe comigo, pois mostra o quanto estamos longe do que falamos quando devemos provar que amamos ao próximo:
AMARGO REGRESSO
Diz-se que esta história é verídica.
Um dia, logo ao findar a guerra, um jovem soldado que finalmente estava voltando para casa. Corajoso, combatera arduamente naquela guerra sangrenta. Assim ele ligou para seus pais avisando que esta voltando. Os pais alegraram-se com isto. Mas ele tinha algo mais s dizer-lhes:
- Mãe, Pai, eu estou voltando para casa, mas, quero lhes pedir um favor. Eu tenho um amigo que eu gostaria de trazer comigo.
- Claro, filho, nos adoraríamos conhecê-lo!
- Mas, há algo que vocês precisam saber, ele foi terrivelmente ferido na guerra; pisou em uma mina e perdeu um braço e uma perna. Ele não tem nenhum lugar para ir e, por isso, eu quero que ele venha morar conosco.
- Puxa, filho, não é fácil cuidar de uma pessoa com tantas dificuldades assim... mas, traga-o com você, nós vamos ajudá-lo a encontrar um lugar para ele.
- Não, mamãe e papai, eu quero que ele venha morar conosco.
- Filho, nós não podemos assumir um compromisso tão grande assim. Ele não seria feliz morando aqui conosco. E nós perderíamos um pouco da nossa liberdade. Vamos achar um lugar em que cuidem bem dele.
- Está certo, papai, o senhor tem razão!
Os dias passaram e o filho demorou a voltar para casa. Assim, tempos depois, eles receberam um outro telefonema, agora da polícia. O filho deles havia cometido suicídio, num hotelzinho de beira de estrada numa cidade vizinha, bem perto deles. Quando ele foram fazer o reconhecimento do corpo descobriram que o "amigo" do qual o rapaz falara era ele mesmo, que havia sido gravemente ferido na guerra e escondera o fato de seus pais, com medo de não ser aceito por eles.


Esta história fala de pais que amam seus filhos, mas o amor destes era centralizado no próprio bem estar. Eles não sentiram-se prontos para ajudar o próximo. E foram testados nisto.
Imagine a dor deles ao reconhecer seu filho mutilado! O desespero de ver ali o ser amado morto porque eles assumiram não poder ajudar um estranho e que era, na verdade, seu filho!
Muitas vezes, enquanto pais e cristãos, agimos assim, deixamos que a vida mutile nossos filhos através de nosso descaso, quando deixamos de investir nosso tempo na vida deles. Permitimos que outras pessoas tornem-se responsáveis por sua educação, por prepará-los para a vida e com isto vão crescendo cada dia mais longe de nós.
Sendo mutilados pelos nossos erros, por nossa aceitação que o mundo molde seu caráter.
Crescem longe dos preceitos bíblicos, não aprendendo como seguir Caminho da Verdade. Por isto muitos filhos de cristão hoje estão nas prisões. Não foram criados de forma correta.
Infelizmente muitas mães e pais acreditam que as poucas horas que os filhos passam na Escola Dominical são o suficiente para moldá-los e fazer deles cristãos íntegros. Esquecem de fazer a sua parte, de educá-los para a vida e para o Evangelho, de impor limites, de dar exemplos. Quando existe falha em casa, por mais seguro e bem feito que é um trabalho fora, não encontra respaldo e não firma, não cria raízes.
Se não há investimento em tempo e amor, por certo todo o trabalho vai por água abaixo e os resultados serão sempre negativos e, se demorar para reconhecer onde esta o erro, poderá perder todos os esforços anteriores.
Como aconteceu com os pais da Ilustração. Cuidaram do filho com amor, incutiram-lhe respeito pelos outros, mas na hora de darem o exemplo, falharam e tudo acabou de forma trágica.
Que aprendamos a cuidar de nossa casa e ensinar nossos filhos os preceitos da Fé e da moral, agindo assim não nos sentiremos responsáveis por tragédias formadas por nossas mãos.
Pense nisto!
Postar um comentário