Google Translate

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

A Mulher Infiel - [Irmã Beth]

A Mulher Infiel
Elisabeth Lorena Alves

  • Ele não é mais do que eu nesta casa e nenhuma cousa me vedou, senão a ti, porque és sua mulher: como, pois cometeria eu tamanha maldade e pecaria contra Deus? (Gênesis 39.9)

 
Houve em certa época uma mulher rica, mimada e de mente volúvel que resolveu ter para si um dos escravos de sua casa.
Consciente de seu poder de atração e de sua beleza, ela começou cercar um jovem que atendia em sua casa, este também de grande beleza, inteligente e fiel à casa que o abrigava.
Ao ver que seus esforços eram falhos, ela começou a imaginar formas de ter o jovem para si.
Um dia, ao ver que o marido e os demais servos afastaram-se da casa para cuidar de seus afazeres, esta mulher ardilosa aproximou-se do jovem e o tentou, mas este apresentou a ela os motivos que o impedia de ficar com ela.
Mostrando-se respeitoso à casa do patrão e alegando que fora-lhe recomendado tudo, menos a posse desta mulher, falando de sua fé e lembrando de tudo o que aprendera quando ainda em seu lar, o jovem fez de tudo para fugir desta mulher, mas ela o atacou.
Acostumada a ter tudo o que queria, ela não aceitava ser rejeitada pelo escravo de sua casa, mas ele tinha ainda uma forma de sair desta situação. Quando ela agarrou-lhe pelas vestes, ele escapou, deixando em suas mãos a capa que portava. Ao ver que nada poderia fazer para conseguir satisfazer seus desejos, a mulher iniciou sua vingança infundada, quando começou gritar.
Com a chegada do esposo e tendo ela contado sua história o jovem fujão foi condenado a prisão. Onde passaria anos de tribulações e dores. Como era doce àquela mulher a sensação de ter destruído o escravo orgulhosos. Quem era ele para desprezar a mulher de Potifar?
Os anos passaram e a mulher vingativa esqueceu-se do jovem que fora condenado injustamente a prisão pelo seu falso testemunho. Para ela, o jovem esquecido não era mesmo ninguém e ela não perdia um minuto se quer de seu dia fastioso e vazio, com considerações sobre seu comportamento inconsequente e a injustiça da qual fora protagonista. Embora não pensasse nele, ela creu que o dia em que fora desprezada, era a última vez na vida que ela viria o jovem.
Só que independente de seu ato egoísta, o jovem escravo onde estivesse, sabia se fazer ouvir e agi com sabedoria, sempre conquistando tanto seus iguais como a seus superiores.
Anos após ter interpretado os sonhos de um dos servos do faraó, seu nome foi lembrado no Palácio, pois agora o rei tivera um sonho e nem sábios e conselheiros conseguiam descobrir o sonho e seu significado. O copeiro que atendia ao rei lembrou-se do esquecido jovem que vivia na prisão e de quee fora ele quem um dia o ajudara com seu sonho e acertará.
O sonho do rei foi descoberto e para que elenão se cumprisse o jovem escravo se tornou governador do Egito.
E é aqui que a história dele e da mulher infiel se cruzam. Ciente de sua mentira e da injustiça que infligira ao jovem rapaz, ela que se via como uma mulher poderosa era obrigada a curvar-se ao ex-escravo a quem atribuíra um erro que era seu.
Esta história nos ensina que não existem ninguém melhor que ninguém e que um dia seremos confrontados com a verdade que um dia escondemos. Que enquanto esposas ou maridos, devemos ser fiéis aos nossos cônjuges e orarmos a Deus que nos livre de desejos extraconjugais. Que se estamos tendo tempos ociosos que nos fazem ter ideias negativas, errôneas e destrutivas, devemos procurar ocupá-los de forma a termos nossos pensamentos restaurados e voltemos respeitar os laços matrimoniais.
Que em todo o tempo nossa oração seja: Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova dentro de mim um espírito inabalável (Salmo 51.10) e que seja verdadeira e não uma repetição automática. Só a sinceridade de nossos sentimentos e em nossa oração poderá mudar as situações se por acaso deixarmos de pensar em Deus e decidirmos atender nossos próprios desejos.
A mulher de Potifar é um exemplo negativo e devemos evitar com todas as nossas forças, repetir seus erros.
Na história de José, ela é o elemento que serve para provar a fidelidade dele para com Deus e aos homens, afinal ele era um jovem que tinha atitudes louváveis e frente a vilania desta mulher mimada e sem escrúpulos, a fé e o respeito deste jovem se destacaram.
Que jamais nossos erros sirvam para dar destaque a qualquer pessoa. Pelo contrário, que nossas atitude de fidelidade,justiça, companheirismo e lealdade sejam sempr epor testemunho na vida de outras pessoas.
Postar um comentário