Google Translate

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Vida Ministerial e Casamento

Vida Ministerial - Casamento

Quem encontra uma esposa acha uma coisa boa; e alcança o favor do Senhor. (Provérbios 18:22)


Casamento
Acredito que um dos maiores erros do cristão, principalmente enquanto obreiro e na juventude, é a aproximação da chamada idade do Matrimônio. Na verdade, as pessoas não percebem que esta escolha é determinada mais pelo seu organismo, seus hormônios que sua vontade racional.
E durante o tempo em que se aproxima esta necessidade de possuir as raízes de um lar, os jovens começam a se fazer perguntas, cada um as suas próprias, mas todas relacionadas a quem unirão suas vidas através do casamento. Uma grande maioria dos jovens se pegam em suas paixões e acabam resolvendo a questão eles mesmos sem questionar ninguém, mas quando falamos de jovens que tem um ministério pessoal a coisa muda de figura.
Os jovens que os cercam se intimidam por achá-los muito espirituais e os ditos adultos resolvem interferir com todas aquelas informações e interferências que acaba criando mais insegurança e claro, alguns acabam confusos e acabam optando pela solidão.
Muitos outros acabam em casamentos fadados ao fracasso simplesmente por que entraram na barca furada de buscar em Deus um companheiro.
Na minha opinião, humilde e sem rodeios, Deus não se infiltra nesta história de casamento, para mim Deus não une pessoas, mas une propósitos. Mas quem encontra a pessoa ideal somos nós.
Quem sabe de suas reais necessidades é você e não pode empurrar para outra pessoa as suas responsabilidades.
Para encontrar um companheiro a sua altura, o verdadeiro obreiro precisa fazer algumas perguntas a si mesmo – na verdade todos os jovens deveriam se fazer estas perguntas:
  1. O que eu quero para minha vida?
  2. O que vou fazer para alcançar meus objetivos?
  3. Qual a importância de meu ministério pessoal para a minha vida?
  4. Meu ministério é definitivo?
De posse destas resposta o jovem agora deve enumerar as qualidades de sua companheira.
Primeiro, tem que observar se a pessoa em questão esta de acordo com seu ministério. Depois se ela apoiará sua escolha ministerial, se tem noção do que terão que abrir mão para continuarem juntos e ainda exercer o Ministério junto com você.
É válido aqui salientar que muitos casais acabam se afastando, mesmo que continuem casados, simplesmente porque ambos querem continuar a prática de um ministério em separado. Muitas esposas não conseguem auxiliarem seus esposos por acreditarem que elas também tem um ministério pessoal a desenvolver e assim, começam os problemas. Particularmente acredito que a esposa deve auxiliar seu marido em seu ministério, ela passa a ser parte do que ele faz, auxiliando-o em todo o tempo. E em alguns casos, são os esposos quem se adequam ao ministério da esposa e juntos caminham para a realização da Obra de Deus, cuidando também em serem felizes.
Segundo, não espere que Deus resolva seus problemas emocionais, afinal Ele já te deu o essencial: Juventude, beleza, animo e vida. Encontrar a pessoa certa para auxiliá-lo em seu ministério não é uma tarefa difícil, mas é a sua parte.
Assim, procure uma pessoa sábia, que te entendam cuide de você e aceite partilhar contigo seu ministério – afinal isto é submissão, estar abaixo da missão de alguém. Esta pessoa tem que ter a capacidade de ouvir e entender você, saber dar uma palavra de apoio, pois existem momentos que exercer um ministério, seja ele qual for, se torna uma tarefa difícil e tendo alguém que dê apoio, fica tudo mais fácil.
Sei que esta busca, por um cônjuge adequado, pode tornar-se complicada pois envolve muitos aspectos e na maioria das vezes a aparência influi muito, é natural quando se é jovem – e até quando não se é tão jovem assim – mas o que importa é classificar as qualidades que esta pessoa precisa ter.
O essencial mesmo é encontrar alguém e iniciar suas análises. Manter os olhos abertos a todas as possibilidades e continuar orando. E namorar ainda é o melhor meio se conhecer uma pessoa.
Terceiro, preste atenção como esta pessoa trata os outros. Para um jovem obreiro, é importante saber se aquela pessoa que vai acompanhá-lo em toda sua vida, é uma pessoa atenciosa, se cuida bem da Obra de Deus. Assim, deve-se prestar atenção como ela interage com as pessoas de seu convívio e como ela trata a Obra de Deus. Afinal, não se deve fazer a Obra de forma relaxada.
Seguir fazendo a Obra sozinho nem sempre é uma boa opção, principalmente quando se é homem. Existem muitas outras coisas envolvidas neste processo e ter alguém que o auxilie se torna, na maioria das vezes uma prioridade.
Sempre que tenho oportunidade de aconselhar um jovem – embora não goste – digo-lhe, deixe de esperar por Rebeca e vai atrás de Rute, ou Boaz, quando o jovem em questão é uma moça. Gosto de imaginar que existe sim pessoas mais maduras, mesmo em tenra idade, eu mesmo fui uma desta, logo cedo já sabia o que desejava.
Quarto, tenha sabedoria em suas escolhas. Preste atenção no que de fato é importante, verifique quais são suas reais necessidades em todo o tempo, não perca o foco.
Muitos jovens são mal aconselhados durante sua busca, principalmente no tocante a esperar. Devemos esperar sim em Deus, mas fazer a nossa parte e escolher alguém é sem dúvida a nossa parte. Com todo o respeito que as demais pessoas merecem, não é Deus e nem os “profetas” que vão viver contigo.
Infelizmente muitos dos jovens que estão na Igreja não assumem nenhuma responsabilidade e tem atitudes que comprovam o total descomprometimento com Deus. Muitos não querem nada a sério, só perder tempo em namoros vazios de significado.
O casamento não pode ser visto apenas como algo condicionado a Obra. Se um dia deixar de fazer a Obra, vai continuar casado, por isso mesmo a pessoa tem que saber escolher. Existe muito mais a se procurar em uma pessoa antes de contrair casamento. Existem os aspectos da convivência enquanto casal, a compatibilidade, a amizade, atração. E tudo deve ser considerado quando se busca alguém.
Quando você equivoca em relação a pessoa com quem se casou o problema é maior, por isto mesmo averiguar seus sentimentos antes de firmar compromisso. Até porque um casamento ruim dificulta o trabalho na Obra e já vi muitos jovens promissores terem suas vidas ministerial destruída por um péssimo casamento. E vi muito de perto, sei o quanto as pessoas envolvidas sofreram com tudo isto. Quando um casamento fracassa a Obra ou fica comprometida e não devemos fazer nada para Deus de forma relaxada: "Maldito aquele que fizer a obra do Senhor relaxadamente! " (Jeremias 48:10).
Quinto, nunca, jamais pense em contratar casamento com uma pessoa que pensa diferente de você, que veja a fé de forma diferente, pois mesmo que esta pessoa seja da igreja, ainda assim, é desigual: Não vos prendais a um jugo desigual com os incrédulos; pois que sociedade tem a justiça com a injustiça? ou que comunhão tem a luz com as trevas? (II Coríntios 6-14). Sim, infelizmente em nosso meio existem muitos que pensam de forma diferente de nós e sem nenhum compromisso com Deus, assim, nossos jovens precisam sim tomar cuidado com suas escolhas.
Que o Senhor fale melhor aos corações!
Postar um comentário