Google Translate

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Para quem tentou de tudo - Seu dinheiro, meu ou nosso dinheiro?

Quando o assunto é dinheiro, as coisas apertam. Seja nas relações pessoais, nas emocionais  e até nas espirituais. O dinheiro que era para ser apenas um meio para  possibilitar certo conforto a vida, se torna um problema de ordem pública. Quem dera fossemos todos nós amados como  o dinheiro é.
Dinheiro é tão absurdo, que já vi gente brigar pelo dinehiro que não tem. Nem tem o dinheiro para colaborar com algo, mas esta reclamando dos valores solicitados para isto ou aquilo.Entre o casais então o problema se torna pior, pois  nem um nem outro quer abrir mão disto ou daquilo para manter  a paz do lar.

          Então a melhor advertência que podemos fazer em relação ao dinheiro é: Quando o assunto for Dinheiro, seja razoavel.

         Uma das poucas  referências específicas sobre dinheiro e sobre doa-lo esta registrada em II Coríntios 9-7, que termina assim:. “Deus ama ao que dá com alegria” 
         No casamento, todos os bens e rendas  devem ser “nosso”, não “seu” e “meu”. Desde o início do casamento, quando se estudas todas as possibilidades, devem ser determinados quem faz o que na relação e se for combinado que ambos vão continuar trabalhando, as rendas só são pessoais  fora da relação, dentro é nosso. Não interessa quem ganha mais ou menos, ganhamos ambos  um valor total e deste valor total é que serão feito os pagamentos que se fizer necessário. 
        É comum hoje, alguns casais, com a chegada dos filhos, optarem pela mulher deixar o mercado de trabalho  e passar a adminstrar a casa somente. Assim, aquelas que antes contribuiam passam a depender do esposo. Como resolver esta questão?
       Ora, muulheres que não trabalham fora de casa devem receber algo que possa suprir suas necessidades das mãos de seus esposos. Com esta quantia regular ela poderá suprir suas próprias necessidades de mantimentos, roupas e outros. Este gasto deve ser orçado com prazer, afinal ela esta optando por sacrificar sua vida profissional em favor dos seus filhos e do seu lar. E jamasi ser visto como um sacrifício de perca e sim de ganho. Afinal a família e sta sendo priorizada e é o que importa. O que você investe no seu lar trás benefício para ambos.
      O dinheiro é o fator principal de vários divórcios. Os  casais brigam por ter muito ou por ter pouco, mas este é um erro, justamente pela falta de aceitar que o dinheiro é de ambos. Temos que manter os oslhos abertos para que os problemas mais comum dos outros casais não influenciem na relação de vocês. Tomar certos cuidados  é na verdade zelar pelo seu casamento. E nosso casamento tem que durar  para sempre.Assim, nosso dinheiro deve ser benção e não maldição sobre a vida des vocês. 
      Quando for necessário que apenas um mantenha a provisão lar, esta  deverá ser feita de forma alegre e espontânea,  jamais com má vontade ou sobre  qualquer  protesto.
      Alguns casais optam por manterem  um valor fixo para gasto de ambos. isto faz com que ela consiga aquela bolsa linda que combina com aquele sapato que ela viu na loja A e ele tenha aquele aparelho que viu na Loja B e que desde então tem se tornado seu sonho de consumo.
       Confie na capacidade de gerir de seu companheiro, isto o fará mais responsável por perceber que você dá um crédito favorável a ele.
       Tenham uma espécie de cofre onde vocês possam colocar aquelas moedas e notas que insistem em querer fugir da sua bolsa ir parar naquela loja de quinquilharias, ou na banca de pastel. Guarde estes dinheirinhos extras e ao final de determinado tempo, descubra quanto vocês conseguiram guardar.E sejam surpreendidos pelo que conseguiram.
      Orem sempre por estas questões, mas sejam sábios.
       Orem juntos para que Deus lhes dê  sabedoria para administrar vosso dinheiro. O Senhor esta pronto a ajudar os seus servos, aqueles que estão preocupados em ter um lar abençoado. debaixo da graça do Senhor. Pense no melhor meio de administrar sua vida financeira. De preferência não gastem tudo, tenham o hábito de  guardar parte de seus ganhos para uma eventualidade.Não faça créditos maiores que 30% do valor que ganham juntos. E sempre converse sobre suas finanças, de forma que tudo fique claro entre vocês e que possam alcançar  a segurança e o conforto de vocês, como casal.
Postar um comentário